O processo do Amor Próprio

Você já entrou em uma relação baseada na disputa de poder na qual sempre você é quem sai perdendo de alguma forma no final? Seja porque não se posicionou quando teve chance, seja porque quis evitar briga, ou porque você achava que o melhor era mesmo aceitar. Independentemente da razão, você cedeu pelo outro e ficou com gosto amargo.

Quantas vezes isso tem se repetido em sua vida? Quantas vezes você deixa de se posicionar para que o outro se sinta bem?

Minha intenção neste ponto da nossa conversa não é entender porque você coloca o outro sempre em um patamar mais alto do que põe a si mesma, mas promover uma reflexão do que acaba, no final, lhe doendo mais: se posicionar ou engolir sapo?

Algumas mulheres me dizem: eu engulo sapos porque não gosto de brigas. Este argumento parte do pressuposto que toda forma de expressão de sentimentos e infelicidades que sejam contrárias ao da parte dominadora pode acabar em brigas. Isso não é de se espantar. Quando pergunto para mulheres se elas foram criadas ( e não estou falando só do pai e da mãe, mas sim de toda família) para se sentirem poderosas, a resposta é sempre a mesma: NÃO.

Para que a sociedade cria ~ a maioria~ das mulheres? Para que sejam passivas e que evitem o confronto. Que sejam doces, gentis e compreensivas. Ninguém te diz que pode ser o que quiser E TAMBÉM que pode respeitar seu espaço, se posicionar, ter voz ativa e agir de acordo com seus valores (sem colocar o valor do outro acima do seu).

Algumas mulheres afirmam que toda tentativa de posicionamento e expressão de sentimentos já foi considerado exagerado pelos outros. O silêncio da mulher é um prato cheio para a parte autoritária, que não percebe o mal que faz à parte agredida. Exerce seu poder estimulando o medo.

Num processo de autoconhecimento e análise sistêmica sobre sua vida, reconhecendo forças e potencialidades…

… A mulher começa a entender que a dor do silêncio faz uma marca maior em sua essência do que a dor da possível repreensão ao seu posicionamento.

Quando passa a se colocar em primeiro lugar e exercer sua autoestima diária, identifica com mais facilidade jogos de coerção e se utiliza da coragem, que antes estava adormecida, para lidar com situações de conflito.

O que acontece então quando a mulher começa a se posicionar? O que acontece quando mulher começa a dizer NÃO para o medo?

O dominador, que estava em sua zona de conforto, não reconhece mais esta mulher. Fica confuso e passa a agredi-la verbalmente para que tome novamente, o poder. Um dos argumentos usados é o EGOÍSMO.

Para o dominador, aquela mulher que antes pensava no mundo inteiro antes de si mesma, quando passa a respeitar suas dores e tomar as rédeas da própria vida, torna-se egoísta.

A verdade é que o único crime que esta mulher cometeu foi o crime da sinceridade. Ser sincera com si mesma em primeiro lugar.

Leave a comment